O despertar de uma nova consciência! É algo que sempre senti como imprescindível a existência sadia do homem em comunhão com a natureza.

Muitos são os que esperávamos essa comunhão para que o nosso mundo fosse salvo da destruição. Sempre senti o pulsar de uma existência maior em meu interior. Sempre acreditei no amor como a existência maior, mesmo em tudo que a nossa capacidade humana possa julgar como mau.

Sempre senti que o Universo poderia somente coexistir imbuído num amor de tal forma incondicional, que tudo que fosse sua reacção podia somente ser feito em torno de tanto amor.

Hoje em que vos escrevo estamos a viver um momento difícil, de fortes provações, de angústia, dor, medo, perdas, desespero e de grandes incertezas. Se voltarmos no tempo, nos lembraremos que foram as dificuldades que nos fizeram evoluir e mudarmos as nossas vidas. A teoria que aprendemos foi que “toda dor nos fortalece”, algumas vezes nos fazem reforçar nossa fé em Deus e mudarmos paradigmas antes vividos.

Pode parecer controverso, mas algures no tempo chegaremos a conclusão que existe muito amor em tudo que estamos a passar, se mudarmos a nossa perspectiva de análise. Sempre soube que o impossível era algo imposto pela limitação de nossas mentes, e, aprendemos desde pequeninos que para Deus nada é impossível, que Deus dá o frio conforme o cobertor, que tempos difíceis se avizinhavam, o tempo do julgamento final, que nossa fé inabalável poderia nos fazer viver verdadeiros milagres e uma vida mágica.

Já tive em muitas ocasiões de minha vida lampejos dessa realidade, sendo mais concreta, minha vida é um verdadeiro milagre. No entanto e apesar de nossa fé, de que nada é impossível naquele que nos conforta, não imaginávamos ser possível o mundo inteiro sobreviver a uma quase total paragem da actividade humana de desenvolvimento e sobrevivência da espécie. Não imaginávamos sobreviver a tantos dias literalmente “engaiolados”, num estado desejado por muitos e hoje completamente rejeitado por nós mesmos, os ávidos de descanso, da necessidade de estar mais tempo com a família, mais tempo para ler aquele livro tão bom, mais tempo para educar os filhos, mais tempo para amar a família, mais tempo para apreciar o crescimento dos filhos, mais tempo para conversar sobre nossos anseios, medos e planos do futuro.

Meu objectivo com o blog de hoje é despertar os meus queridos leitores para um fenómeno posterior a essa nossa hibernação imposta pela Mãe Terra. O fenómeno de “Quem sou eu hoje, depois de o ontem totalmente inédito? O quanto evolui como ser humano durante este período? O que posso dar ao mundo como um novo eu?

Para quem defende que “Parar é morrer”, atentemos ao facto de que muitos sentirão que decerto, nesta fase especial de recolhimento, simplesmente morreu para a alegria da existência, para alegria de ver seus filhos e passar mais tempo com eles, a alegria de conhecer mais o(a) companheiro(a), alegria de ver manifestação de mutações nos nossos descendentes, na alegria de ter uma casa confortável que nos abrigou e protegeu de todo o mal lá de fora, na alegria de ter recursos que lhe facilitaram essa fase, desde a energia eléctrica, a água, a conexão com o mundo, a comida, a alegria de ouvir música de desfrutar de grandes lembranças e dos momentos bem passados anteriormente.

Da alegria de nos termos voltado verdadeiramente à Deus, onde todos nós nos unimos em orações de pedido de perdão e agradecimento pela vida, de termos nos voltado verdadeiramente a Deus e termos mudados nossos anseios pela vida, pelos desejos carnais e do despertar para o que é essencial e importante em toda nossa existência.

Caro leitor, nos preparemos para a nova fase que iremos viver, de nos doarmos muito mais, e esperarmos muito menos, de sermos mais amorosos com a Mãe Terra, com os mais pobres, os mais desfavorecidos, entendermos que nenhum status, dinheiro, posição, recursos nos livrará de nos igualarmos a todos os seres que coabitam nesse grande mundo, a nossa amada mãe Terra.

Nos preparemos para enfrentar os desafios da recuperação económica e do nosso saber bem viver com recursos optimizados. Saber viver com o essencial e necessário. Saber viver envolvidos no amor, no verdadeiro amor que significa a total aceitação de tudo e de todos.

Que o amor infinito de Deus, dos Cosmos, do Universo, de uma Força Maior nos ensine a viver como verdadeiros filhos dessa Terra.

Namastê