Sou líder e não chefe

Análises a parte, dedico o blog ao mais novo fenómeno nas paradas do sucesso cá na banda: “Sou líder e não chefe”. Temos vistos muita matéria sobre o assunto, criou-se um novo pré-conceito de que ser chefe é tão pejorativo como ser um torturador de almas. Criamos um novo estereotipo para nos designarmos como alguém que tem sob sua responsabilidade um grupo de pessoas a quem se tem algum poder e domínio, dado ou herdado de uma nomeação por confiança ou conveniência. Aprendemos em bons livros que ser chefe é muito diferente de ser um líder. Ao falarmos nestes moldes, mais ninguém neste planeta quer ser um mero chefe, carrasco de sua equipa, mas sim um grande líder que lidera pessoas e as motiva para darem os resultados que se espera.

Meu tema preferido nos últimos tempos é estudar o comportamento humano, conhecendo como funciona o seu cérebro, responsável por tomadas de decisões e outro tema que tem tomado a minha atenção também é estudar comportamentos e hábitos que funcionam em piloto automático no dia a dia do ser humano. Minha dedicação tem como motivação perceber comportamentos sem julgamento e conflitos responsáveis por muitos mal-estares nos relacionamentos interpessoais na sociedade.

Temos assistido a inúmeros fracassos de líderes, que tudo fizeram e não obtiveram o tão esperado resultado, de ver seus seguidores realizarem seus desejos. Apesar da vasta literatura disponível, continuamos a acreditar que já nascemos sabidos e obviamente líderes natos, logo tal crença nos leva a decidir que não precisamos ser treinados ou orientados por quem sabe de alguma forma como o mundo está a ser revolucionado com um novo paradigma de liderança. quem percebeu o paradigma, dedica-se a perceber como funciona a complexa máquina criada por Deus que habita em nosso crânio, o cérebro. O cérebro, órgão responsável por todas as acções corporais, é também graças a esta máquina complexa que neste momento, você lê este artigo e consegue interpretar a ideia passada no texto. É Graças ao cérebro que conseguimos fazer planos, tomar decisões, agir e lembrar das pessoas que amamos.

Numa das palestras de Pedro Calabrez, o meu favorito neurocientista, dissertou sobre o tema “Lideranças para a Transformação”. O mesmo defende que a evolução da espécie humana, esteve na base a inteligência colaborativa, onde uma série de cérebros se juntaram e em colaboração foram capazes de fazer da espécie humana, a mais evoluída na face da terra.

Muitos líderes actuais entenderam que o segredo para resultados magníficos não se resume ao seu QI extraordinário, mas sim a união e colaboração de seus liderados.

Nenhum líder será bom líder se não tiver uma equipa por trás de seu sucesso, apoiando e segurando as bases de todo o processo.

Nenhum líder será transformador se não tiver a capacidade de fazer a máquina andar com o seu exemplo, carisma, encorajamento, a injecção do sentido de missão e do porquê do que fazemos.

Simon Sineck, guru em Liderança, numa de suas palestras, fala sobre o segredo dos líderes inspiradores e que transformam suas organizações pela acção. É a mudança do paradigma da transformação, passarmos a entender antes de mais nada o porquê que acordamos todos os dias e cumprirmos a grande missão de desenvolvermos a nossa empresa. Que sentido e que resultado se produz quando se desenvolve determinada missão. Este primeiro ponto lançará a necessidade da busca de como cumpro com minha missão diária e o que obteremos no final de tudo (why, how and what).

Inspirar pessoas, passa por fazer compreender o porquê fazemos o que fazemos, qual a razão de tudo isso. E muitos de nós até conhece a Missão da Empresa, mas não nos sentimos parte dela. Nessa hora é que o papel do líder se faz necessário.

A voz do líder é o comando da acção, e inspirar pessoas é levá-las a pensar “com o cérebro” que devem sim colaborar para o engrandecimento de sua empresa porque reconhecem que o seu propósito é o propósito comum, e que fazendo como fazemos obteremos a recompensa do sucesso pessoal e profissional que tanto almejamos.

A sua equipa, não o seguirá porque é um líder, o seguirá pela razão de ser o líder da sua equipa, pela razão de existir do grupo, pela missão que nos leva a vestir a capa do Super Homem ou da Mulher Maravilha todas as manhãs.

Líderes inteligentes descobriram como levar suas equipas ao rubro dos resultados desejados na selva da concorrência.