A minha criança Interior

Vezes sem conta despertei e como um flash me perguntei, Quem sou eu? O que vim fazer a este mundo? O que espera Deus de mim nesta vida? Que missão adicional me foi dada para além daquela que já sei? Estou a cumprir-la de forma exemplar? Que mistérios existem dentro de mim? Quem é a criança interior que habita em mim? Que força esta criança tem? O quanto tenho dececionado minha criança interior?

Milhares de perguntas giram minha cabeça, confesso que por vezes me perco em tantas perguntas. Já não existe o porquê eu? existe sim o que se espera de mim hoje e o que devo saber mais para aprender as lições deste mundo. Minha necessidade de ser útil ao mundo me remete a uma reflexão! O que terei prometido a minha existência na terra? Que desafios me propus a transpor? E o que espera o Universo de mim? A quê pertenço? Quem sou eu na realidade.

Por vezes sinto que pertenço a um lugar que não este em que estou, mas é aqui mesmo que devo estar. Tudo começa pelo nome que minha mãe me deu, “Alvorada”, “Está claro”, “Amanheceu”, “Está Limpo”, “Está cristalino”. Sou o começo de tanta coisa, minhas emoções são tão claras como meu nome. No entanto estou a aprender a esconder um pouco dessa minha essência de tudo está claro! “risos”

Lembro-me claramente que sempre fui uma sonhadora, um desejo inexplicável de ser feliz, de viver no paraíso, de sorrir sempre. A vida me fez dura, uma batalhadora, a imagem da mulher maravilha, levei mais de 40 anos para me despir deste personagem. Acho que chega, acredito que dediquei meia vida terrena nessa história. Parece que minhas palavras carregam algum mistério, algum mau augúrio. Txeee! nada disso, sempre fui bem sucedida nas minhas várias fases de vida. Tive uma infância igual á todas na minha idade. Minha mãe foi o modelo de mãe da época, casei-me aos 20 anos, aos 23 anos tinha meus 2 únicos filhos e fui uma senhora, esposa, mãe e mulher exemplar. Vivi alguns enganos da vida quando me achei perfeita, moral, exemplo a seguir e vivendo na perfeição. Me achava uma simples mulher e sonhava com tudo que uma mulher da minha época sonhava. Dar o melhor aos meus filhos e tudo aquilo que não tive e que desejava na altura. Decidi também que devia ser uma mãe dura onde ensinava uma educação recta e preparei meus filhos para que se um dia os faltasse, eles pudessem seguir sem mim.

Confesso que fiz um belo trabalho, não tenho o que me queixar de meus filhos a não ser das poucas vezes que acho que deviam ser mais ágeis nas suas acções do dia a dia. Sou infinitamente grata a Deus por não ter histórias de stress com os 2 seres que me foram confiados por Deus para educar e ensinar sobre esse mundo. Ao meio de tudo ensinei muito amor aos meus filhos, amor a si mesmo, amor ao próximo, amor aos animais, amor a terra, amor aos livros, amor aos estudos e amor ao futuro.

Enquanto existir neste mundo, continuarei a me redescobrir aos poucos quem na realidade sou. Continuarei com as mesmas questões e as respostas me serão dadas a medida de minha missão.

Caro leitor fica a reflexão para si! QUEM É VOCÊ! QUE MISSÃO LHE ESPERA NESTE MUNDO! QUAL O SENTIDO DE SUA EXISTÊNCIA!